quarta-feira, 15 de setembro de 2010

Resgatando a história de Zacarias

Em 2009, por sugestão da historiadora Maria Penha Andrade e Silva, a Secretaria de Educação em parceria com a Secretaria de Cultura desenvolveu em todas as escolas da rede um projeto de resgate da história das comunidades onde as escolas estão inseridas.A culminância aconteceu em escolas - polo e a nossa foi na Escola João da Silva Bezerra,onde fizemos uma exposição de trabalhos e apresentamos uma dança com a música "Tangolangomango" que era utilizada há muitos anos atrás quando a abertura da barra era feita somente com pás e enxadas.Esta música servia para dar ritmo ao trabalho. O projeto envolveu passeio ao local onde acontecia a abertura e a comunidade de pescadores de Zacarias,entrevistas com pescadores que lembravam desta época,pesquisas e outras atividades. Curiosamente não acontecia a abertura da barra em nosso município há 24 anos e justamente em abril de 2010, em decorrência das chuvas, foi necessário abrir a barra.Portanto, após o estudo em 2009, as crianças este ano puderam acompanhar a abertura pessoalmente.Vamos conferir algumas fotos do projeto no ano passado:
Os alunos no local da abertura da barra em 2009 e a abertura da barra em 2010
Passeio à comunidade de pescadores de Zacarias em 2009.
Entrevista com o pescador que apareceu na reportagem sobre Zacarias e a restinga na revista Maricajá e com o poeta da comunidade Enéas Marques.
Festa de culminância do projeto em 2009.
Em 2010 nossa escola tem o projeto "Balangandã", criado pela nossa diretora Cláudia Cardoso,que é o fio condutor de todo o nosso trabalho pedagógico e que tem como objetivo formar contadores de histórias.Por esta razão este ano o nosso foco está sendo no resgate da histórias de Zacarias,dando continuidade ao trabalho iniciado ano passado.Mas uma vez gostaríamos de agradecer a cooperação e assessoria da historiadora Penha,que nos cedeu pesquisas feitas por ela sobre Zacarias e fotos que foram fundamentais para a realização do nosso trabalho.
Iniciamos nosso projeto com passeios pelo nosso bairro,onde encontramos praia, lagoa e uma Área de Proteção Ambiental (APA). A região caracteriza-se por estar em um cordão arenoso litorâneo entre a laguna e o mar, formado por vegetação e fauna de restinga, dunas e por ali habitarem por mais de 2 séculos a antiga comunidade de pescadores tradicionais de Zacarias. Esta comunidade foi objeto de estudo dos antropólogos Marco Antonio da Silva Mello e Arno Vogel durante 20 anos, que registraram suas pesquisas no livro " Gente das areias", que revela a história do povoado de Zacarias, bem como a resistência dos pescadores à especulação imobiliária e aos problemas sociais e ambientais decorrentes da crise da pesca artesanal, nas lagoas de Maricá. Todas as turmas fizeram então um passeio pelo bairro, que nós poderemos conferir a seguir através das fotos: A comunidade de pescadores de Zacarias fica entre a Ponta da Pedra e a Ponta do Capim:
Nossa primeira parada foi para observarmos um poço de água doce feito na areia por pescadores.Os poços antigos que existiam na beirada da lagoa, como o que está registrado na capa do livro, não existem mais.Eles eram caixotes quadrangulares ,sem fundo e com uma tampa de tábua.

Observamos corujas e gaviões:
Paramos para conhecer e provar o fruto cambuí, típico de restinga:
A turma Árvore e Tubarão foram até a Ponta do Capim onde termina Zacarias.Ali observaram a coroa,onde, na direção das duas pontas, formou-se um banco de areia:
Na reportagem "Estórias de pescador" publicada na revista Maricajá nº 12/2003 o pescador de Zacarias Precidiano José Marins, Seu Murcinho,nos conta sobre o naufrágio de um rico cargueiro alemão, na época da 1ª Guerra Mundial (1914 - 1918), nas proximidades da restinga.De tanto os pescadores andarem até o local para mergulhar e pegar estoques de talheres e mantimentos do navio, foram abertos caminhos na restinga e o local ficou conhecido como "caminho do barco".
Nós fomos então conhecer este caminho:
A Historiadora Penha nos cedeu o conto "A mulher de rabo", contado por Jorge Moura da Silva (1950) cuja história se passa em Zacarias - Maricá:
"Ouvia-se sempre dos antigos pescadores da Barra de Maricá ( Sr. Ribeiro e Sr. Protásio) que quando saíam para pescar no mar ou na lagoa, quando passavam perto de uma figueira, aparecia uma mulher toda de branco com um rabo enorme. Aqueles que tinham coragem seguiam a mulher que logo desaparecia e os outros pescadores medrosos saíam correndo desesperados.
A mulher aparecia e sumia misteriosamente sempre no mesmo local. A figueira existe até hoje".
Pesquisamos e descobrimos onde fica a figueira do conto e fomos conhecê-la.As crianças descobriram que no seu tronco está escrito "Tá aqui".
Depois fomos até a beira da Lagoa Grande conhecer melhor a vida dos pescadores do local:
Viveiro de siri
As casas antigas de Zacarias que comprovam a presença e permanência dos pescadores em Zacarias por mais de 200 anos:
Antigos ranchos de pesca onde os pescadores guardavam suas redes,canoas, remos e demais apetrechos de pesca:

Um comentário:

  1. Muito bacana essa postagem. Estou terminando de ler o livro "Gente das Areias" por causa de uma dissertação sobre comunidades litorâneas... fiquei encantada com a história dessa gente em seu lugar, quantos conflitos, quantas lutas!

    ResponderExcluir